GUARDA-MOR
Editores
Livreiros
Login / Iniciar Sessão | Registo de novo utilizador
Home
Títulos Autores Minha Conta Contactos
Índices dos Registos Paroquiais de Lisboa - Casamentos - vol. VIII - 1836-1840
-75%
Preço: EUR 40,00 / EUR EUR 10,00
Editora: Guarda-Mor
Ano do Livro: 2009
Nº Páginas: 474
Encadernação: Capa dura

Temas: [·] [·] [·] [·] [·] [·] [·]
Sinopse:

A 1 de Janeiro de 1836 realiza-se por procuração o casamento da Rainha D. Maria 11 com o príncipe Fernando de Saxe-Coburgo-Gotha. A cerimónia religiosa, em pessoa, terá lugar na Sé Catedral de Lisboa a 9 de Abril, assento que consta do Livro nº 17 de Casamentos da paróquia e aqui vai indexado.

O país continua agitado e a chegada a Lisboa, a 9 de Setembro deste mesmo ano, dos deputados do Norte provoca a revolta de uma parte da população de Lisboa e dos batalhões da Guarda Nacional, que exigiram à Rainha a demissão do Governo e a proclamação da Constituição de 1822. É o início da "Revolução de Setembro". A 4 de Novembro seguinte, nova revolta tenta estabelecer a carta, sendo assassinado o ministro da Guerra, Agostinho José Freire.

Ao longo dos cinco anos abrangidos por este volume, sucedem-se tumultos e revoltas que opõem os defensores da Carta Constitucional de 1821 e os adeptos da Constituição de 1822 a que acrescem ainda algumas tentativas de sublevações miguelistas. A uma cadência média de 4-5 meses, sucedem-se os governos em que pontificam alternadamente os mesmos protagonistas: os Duques de Palmela, da Terceira e de Saldanha e o Marquês de Sá da Bandeira.

A 26 de Setembro de 1836, é criado o Panteão Nacional, sendo escolhida a Igreja de Santa Engrácia para o acolher. A 17 de Outubro de 1836 é decretada a integração da freguesia de São Martinho na de São Tiago e datam de 1838 os últimos registos de casamento na freguesia do Salvador que fica oficialmente integrada na freguesia de São Vicente de Fora.

Ao longo deste período de cinco anos acentua-se o progressivo decréscimo de casamentos realizados em Lisboa, totalizando 5.583, isto é, menos praticamente 1.000 dos que nos cinco anos anteriores. Entre elas, refiram-se os do notável diplomata D. Francisco de Almeida, 2° conde do Lavradio, do marquês do Faial, D. Domingos de Sousa Holstein, depois 2° duque de Pai meia, do erudito visconde de Juromenha João António de Lemos Pereira de Lacerda, de João de Saldanha da Gama, conde da Ponte, do Governador da índia Brigadeiro Simão Infante de Lacerda de Sousa Tavares, Barão de Sabroso e do marquês de Sabugosa, José António César de Meio Silva e Menezes, Presidente do Conselho Ultramarino e Governador dos Açores.
© 2000-2018  Guarda-Mor, Edição de Publicações Multimédia Lda.